Líderes religiosos debatem sobre ir à igreja no metaverso

Quando as primeiras transmissões de rádio e televisão começaram a chegar às casas ao redor do mundo, a programação religiosa estava entre os pilares iniciais de ambos os novos meios. Agora, à medida que o mundo se afasta das telas 2D planas e das transmissões de áudio limitadas por frequência, praticantes religiosos de todo o mundo começaram a adotar metaverso, Web3, computação espacial e tecnologias de inteligência artificial como condutos para a fé.

No entanto, ainda há céticos que acreditam que existem perigos associados a essas tecnologias, líderes religiosos que se perguntam se os adornos tecnológicos modernos são necessários, e bilhões de seguidores religiosos tradicionais aguardando orientação.

Do lado de apoio, Sreevas Sahasranamam, professor na Universidade de Glasgow, recentemente expôs o potencial positivo para um metaverso para praticantes da fé hindu na revista Swarajya:

“Imagine receber Geetopadesha diretamente do Senhor Krishna. Não, eu não estou falando sobre estar em uma máquina do tempo de ficção científica para me levar de volta ao tempo da guerra de Kurukshetra. Em vez disso, estou falando sobre estar na minha sala de estar, assumindo o papel de Arjuna, buscando respostas para minhas batalhas internas através do Geetopadesha do avatar do Senhor Krishna em um óculos Meta da Ray-Ban.”

Muitos veem as qualidades imersivas do metaverso, especialmente quando experimentadas através da realidade virtual, como um método para aproximá-los das escrituras e histórias que cercam suas religiões.

Sahasranamam também escreveu sobre usar o metaverso como um auxílio à meditação, dizendo que a imersão que ele oferecia poderia levar a experiências mais profundas e significativas.

Nem todos estão tão entusiasmados com o potencial do metaverso como uma ferramenta religiosa. Gavin Ortlund e Jay Kim, teólogos e pastores cristãos dos Estados Unidos, veem isso como algo que poderia adicionar ao paradigma de comunhão atual, mas ambos pareceram concordar que não era uma substituição para igrejas físicas.

Os dois discutiram a questão em um vídeo recente. Durante a conversa, Kim questionou em voz alta se a ideia de “igreja no metaverso” era um oxímoro.

A principal objeção da dupla parece ser a natureza digital/virtual do metaverso. Segundo Ortlund:

“Então, batismo e a Ceia do Senhor, e esses são atos físicos, uma igreja é irreduzivelmente física, você sabe, você precisa de corpos físicos para a igreja porque você tem que ter pessoas lá para entrar na água ou para comer o pão e o vinho. E então esse é apenas um exemplo de onde algo se perde se você está se afastando do contato físico face a face.”

Em Roma, a igreja Católica tem uma visão diferente no geral. Ela abraçou algumas tecnologias do metaverso, tendo experimentado Web3, tokens não fungíveis (NFTs) e metaverso nos últimos anos, mas o Papa Francisco, seu líder atual, não é fã de todas as tecnologias voltadas para o futuro.

Como a Cointelegraph relatou recentemente, o Papa teve algumas palavras escolhidas sobre o advento da era da inteligência artificial:

Sua receita final é defender o desenvolvimento de uma forte barreira moral e legislativa contra os danos existenciais e prejudiciais apresentados pela IA, embora ele reconheça os benefícios da tecnologia quando usada de forma responsável.



LEIA MATÉRIA ORIGINAL